Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007

Espaço monetário

ESPAÇO MONETÀRIO
É preciso devolver o excesso de dinheiro retido nas contas dos ricos que a maioria usa mal. Tudo que afronta os pobres gera ódio inveja e os demais comportamentos que conhecemos como, os sete pecados capitais, praticados por todos por causa ganância. . Enquanto existir a pobreza e principalmente os famintos, sempre haverá espaço para a violência, nos lares e países ricos ou pobres. Os pobres querem ser ricos e os que conseguem comportam-se como ricos e nem pensam em aliviar ou acabar com a pobreza por que, como os ricos atuais, sentem que, na realidade, é a pobreza que faz o rico se sentir poderoso. Portanto jamais a pobreza acabará por iniciativa dos ricos. Agora a decisão depende dos legisladores que já são um misto de ricos e pobres. . Eles podem transferir a cobrança para o social, paga pelos empregados e empregadores, para as vendas de produtos e serviços para que todos contribuam durante todo o tempo que viver, doentes ou sadios na proporção do seu poder aquisitivo. Essa transferência de cobrança facilita a admissão de funcionários nas empresas porque a garantia será de responsabilidade do seguro social que, com o novo sistema de cobrança jamais terá dificuldade de pagar o salário desemprego, sem interrupção, a todos os desempregados sem renda própria mais a ajuda que precisarem para seus dependentes menores. Esse sistema de cobrança, para o social, é o único capaz de acabar com a pobreza e seu comercio ilegal sem acabar com a classe média alta e a rica
Muito diferente do espaço calculado em metros quadrados; o espaço monetário não tem limites definidos, mas pode ser tão restrito que, mesmo num país de dimensões continentais, pode fazer, muito dos seus habitantes, sentirem a sensação de confinados e escravizados.
O espaço monetário aqui representado pelo salário deve ter uma dimensão que comporte tudo o que qualquer trabalhador, especializado ou não, precisa para viver sem apertos e com espaço de sobra para outras necessidades.
O ser humano é uma célula da corporação humana que, como a célula do corpo, precisa da passagem do sangue em quantidade e velocidade tal que permita a cada célula retirar dele todos os nutrientes que precisam e, simultaneamente, jogar na circulação de retorno a matéria gasta para que o sangue a jogue fora do sistema mantendo-o limpo e eficiente. Assim também qualquer empregado ou desempregado, aposentado ou incapacitado tem que ter dinheiro passando por si em quantidade que lhe de poder de compra capaz de pagar todos os alimentos que precisa e para os demais produtos necessários para o conforto e lazer que não são dispensáveis,
Os impostos embutidos nos preços dos bens de consumo e serviços mais outros impostos e taxas. podem ser considerados aqui como o residual que vai ser lançado nos cofres do fisco para movimentar o país com a ação dos mestres do ensino da segurança da administração e da justiça.
O salário insuficiente retrai a indústria, comércio e agricultura até á falência de fábricas e micro empresas com o conseqüente aumento do número de desempregados que irão defender-se no campo de ninguém. Nesse campo de ninguém cresce o comércio informal e o contrabando enquanto a arrecadação cai, causando grande prejuízo ao País, Estados e Municípios.
A atividade informal - Trabalho não legalizado ou não reconhecido - É um labirinto no campo de ninguém onde os excluídos se entendem e o governo se perde., O governo trava nesse campo uma interminável batalha de repressão dispendiosa sem alcançar o objetivo. Seria melhor arranjar um meio de tirar uma parte desse volumoso bolo de dinheiro que está á mercê das aves de rapina,
Um metalúrgico, um bancário ou seja lá que profissional for não deve fazer serviços fora do horário de trabalho com o objetivo de aumentar o salário até ao mínimo indispensável, mas é obrigado a fazer até o que não sabe para não passar por humilhações como a de pedir ajuda a amigos ou não para comprar remédio ou comida para os filhos O trabalhador tem que ganhar tanto quanto precisa e com sobra para fazer a manutenção da sua casa e seu carro sem ter que recorrer a horas extras que prejudicam a saúde e aumentam o desemprego.. Quem ganha o suficiente- se não for desequilibrado- só pensa nas coisas boas da vida , Afasta o ódio e exercita o amor,
Bernardolopes@superig.com.br
publicado por blopesdarocha às 14:27
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De mauricio_102 a 3 de Outubro de 2007 às 18:55
Olá Blogger! Vamos criar um Movimento de Bloggers para mudar a LETRA do Hino Nacional?!
.
A minha PROPOSTA:
.
"A Liberdade" (um povo sem formação não é um povo livre).
.
Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
.
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!
.
Agora a parte em que os Traficantes de Armas se FARTAVAM de rir:
.
Às aulas, às aulas!
Na Escola e no Trabalho,
Às aulas, às aulas!
Pela Pátria aprender
Contra o atraso estudar, estudar! (*2)
.
.
(*2) - ALV - Aprendizagem ao Longo da Vida.
.
"Toda e qualquer actividade de aprendizagem, empreendida numa base contínua,
com o objectivo de melhorar conhecimentos, aptidões e competências".
.
Site em http://www.alv.gov.pt
.
.
NOTA: "Atletas ESPANHÓIS querem dar letra ao hino nacional espanhol".
.
in Jornal Diário de Notícias, 13.6.2007, ou em
http://dn.sapo.pt/2007/06/13/desporto/atletas_querem_letra_hino_nacional_e.html
.
.
Quem mudará a letra do hino mais depressa? Espanha ou Portugal?!
.
.
Ver mais em "O Hino Nacional e os Traficantes de Armas", Bolg "Eu Não Desisto", 1 de Outubro de 2007, ou em http://eunaodesisto.blogs.sapo.pt/30664.html
.
Braga (mas Lisboeta, "A Invasão Mourisca,
"http://jn.sapo.pt/2007/02/27/opiniao/a_invasao_mourisca.html) 20.9.2007
.
JOSÉ DA SILVA MAURÍCIO para os que não gostam de Anónimos.
.
ANÓNIMO para os que não gostam de armantes.
.
E para os restantes, J#o? d/ sI&v? Ma+/+u)io (Assinatura ilegível).
.
mauricio_102@sapo.pt
.
http://eunaodesisto.blogs.sapo.pt


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Reforçando o combate à co...

. Espaço Sideral

. Confissões, Broncas e Des...

. Natal de famintos e empan...

. PIB isquêmico

. Plano de Lula para zerar ...

. A solução para a crise po...

. Criticar sem sugerir (mes...

. O euro veio para ficar e ...

. O euro veio para ficar

.arquivos

. Agosto 2017

. Junho 2017

. Agosto 2015

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Novembro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds